Institucional

Perguntas frequentes

1 - Quando foi criada a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Tocantins - FAPT?

Regida pela Lei Complementar n. 71, criada em 31 de março de 2011. Vinculada a Secretaria Estadual do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação e ao Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia, que formulam as políticas de diretrizes definidas pelo Governo do Estado. 

2 - Quais as competências da FAPT – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Tocantins?

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Tocantins tem competência para: incentivar pesquisas científicas e tecnológicas, mediante apoio técnico e financeiro a projetos de difusão tecnológica, extensão, inovação e investigação desenvolvidas individualmente ou por instituições públicas e privadas sediadas no Estado; contribuir para o desenvolvimento social, econômico e cultural do Estado do Tocantins; financiar parcialmente a instalação e modernização de unidades de pesquisas públicas e privadas; apoiar a formação e o aperfeiçoamento de profissionais para pesquisa, inovação e desenvolvimento técnico, mediante a concessão, integral ou complementar, de bolsas e auxílios à pesquisa e ao apoio tecnológico, no País e no exterior, em projetos de interesse do Estado do Tocantins; articular-se, de forma permanente, com órgãos e instituições públicas e privadas, nacionais, internacionais e estrangeiras, atuantes nas áreas de pesquisa, ciência e tecnologia; estabelecer parcerias com vistas ao desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica do Estado; desenvolver outras ações e atividades compatíveis com a sua finalidade.

3 - Quem é a Presidente da FAPT

Paulo Massuia

Massuia é engenheiro formado pela Faculdade de Agronomia e Zootecnia Manoel Carlos Gonçalves, graduado em economia pela Unitins – Fundação Universidade do Tocantins. Possui pós-graduação em Administração e Estratégia Empresarial pela Ulbra – Universidade Luterana do Brasil, especialização em Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas pela Unicamp – Universidade de Campinas, MBA em Administração de Empresa e Desenvolvimento de Executivos e MBA em Administração Pública USP – Universidade de São Paulo.

Sua carreira profissional começou no Banco do Brasil em 1988 onde atuou em várias funções como: assistente, assessor, analista pleno, gerente de negócios, gerente de núcleo, gerente de mercado de pessoas físicas e de agronegócios. Durante a passagem pelo Banco do Brasil, acumulou conquistas em prol do bem estar do povo tocantinense.

Como docente atuou na Faculdade Objetivo em 2003 e 2004, foi também tutor universitário da Aiec; Faculdade de Administração de Empresas de 2004 a 2006 e educador corporativo do Banco do Brasil entre 2005 e 2006.

No Sebrae Tocantins, começou como conselheiro, representando o Banco do Brasil, de janeiro de 1994 a janeiro de 2005. Foi conduzido ao cargo de diretor-superintendente do Sebrae-TO para o biênio 2007/2008, 2009/2010 e foi reconduzido para mais quatro anos entre 2011 e 2014. Porém deixou o cargo para assumir, à convite do governador Siqueira Campos, a então Secretaria da Indústria e do Comércio.

Quando em março de 2012, assumiu a extinta Secretaria Estadual da Indústria e do Comércio que, mais tarde, se tornou a Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Massuia priorizou, entre outros temas, a melhoria da infraestrutura para que os empresários tenham oportunidade de se estabelecer no Estado, crescer e exportar produtos.

4 - Como faço para obter uma bolsa para Mestrado/Doutorado ou auxílio para Fomento de projeto de pesquisa nas diversas áreas do conhecimento?

As bolsas de Fomento são concedidas por meio de projetos que são selecionados em função de editais, ou por meio de Termos de Cooperação ou Convênios da FAPT com Ministérios ou suas Secretarias, órgãos ou entidades do Governo Federal ou Estadual, Secretarias estaduais ou municipais, Fundações de Amparo à Pesquisa Estaduais, CNPq, OU outras instituições de ensino, pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico públicas ou privadas.

5 - O bolsista poderá receber bolsas de outra agência juntamente com a bolsa da FAPT?

De acordo com as políticas desenvolvidas pela FAPT, é vedada a cumulação de auxílio da FAPT com quaisquer outras instituições de ensino, pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico públicas ou privado.

6 - Na categoria “pesquisador”, o candidato precisa ser vinculado a uma instituição de ensino e/ou pesquisa? 

Sim, vinculo como servidor na ativa, ou se aposentado como voluntário

7 - O mesmo candidato pode participar com mais de um trabalho?

Sim.